Passageiros Noturnos

ONZE E QUATRO
Horas passam
Num passo pequeno,
passo pesado de procissão.

ONZE E DEZOITO
Ideias passam
Num passo piscado
a pipocar na escuridão.

ONZE E MEIA
Memórias passam
Num passo pregado
aos pecados do chão.

ONZE E QUARENTA E CINCO
Tarefas passam
Num passo preocupado
pelo não lembrado até então.

MEIA NOITE
O corpo que fica é estação:
Amanhece vazia e se enche
com dias e noites que virão.

corpodeitado-estacao-trem-lotado-vazio

2 comentários:

  1. Gostei do poema!

    Estou fechando o blog, já postei a que será a última resenha, então pode restirá-lo da sua lista de parceiros...
    Sucesso!
    Beijos,
    Tarsila
    desaliene.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Okay Tarsila, mas que pena.
    Abraços!

    ResponderExcluir